A Ascensão do Veganismo na Nova Década

Atualmente estamos em uma nova década de crescente conscientização ambiental e de saúde. O crescimento do veganismo é só o inicio de uma transformação racional do consumo.

Dessa forma, a introdução no mix de produtos e alternativas veganas podem ser ótimas escolhas para varejistas de alimentos. Com essa ação, podem atrair consumidores cada vez mais atentos às tendências, bem estar e consumo responsável.


Desde já, o crescimento do veganismo é muito notado!

Graças em parte à internet, o veganismo está atualmente no seu momento.

De documentários como Cowspiracy e Forks Over Knives à notícias sobre veganos protestando em restaurantes que servem carne. De celebridades como Brad Pitt até Beyoncé divulgando os benefícios. Parece que todo mundo está falando sobre a dieta baseada em vegetais.

Entretanto, se você acha que comer à base de plantas é mais uma moda passageira do que um movimento, talvez seja hora de reconsiderar.

Embora esse estilo de vida não seja bastante comum, a demanda global por alimentos à base de plantas está aumentando.

A Ascensão do Veganismo na Nova Década

Segundo um relatório da empresa de pesquisa GlobalData, houve um aumento de 600% nas pessoas que se identificam como veganas nos EUA nos últimos três anos.

Olhe além das fronteiras dos Estados Unidos e você encontrará mais pessoas que preferem uma dieta baseada em vegetais.


Por exemplo: No Reino Unido, o número de pessoas que se identificaram como veganos aumentou 350% na última década.

O veganismo foi a principal tendência de pesquisa do Canadá em 2017.

Na China, as diretrizes alimentares recém-divulgadas pelo governo pedem aos 1,3 bilhões de pessoas do país que reduzam o consumo de carne em 50%.

O interesse no termo “veganismo” aumentou sete vezes nos cinco anos entre 2014 e 2019, de acordo com as tendências do Google. Agora ele recebe quase quatro vezes mais interesse do que pesquisas vegetarianas e sem glúten.

Prevê-se que até 2040 apenas 40% da população mundial consumirá carne, com 35% consumindo carne limpa (laboratório) e 25% de substitutos de carne vegana.

 

Multinacionais abraçam a causa e reconhecem o crescimento do veganismo

Além disso, esses produtos já provaram ser uma maneira eficaz de aumentar as vendas.

No verão passado, durante um teste com seu hambúrguer vegano “Imposter”, a gigante de alimentos com o conceito “lambendo os dedos” KFC, vendeu um hambúrguer por minuto durante os primeiros dias de lançamento.

Também interessados ​​em capitalizar a tendência sem carne, o McDonald’s deve introduzir uma refeição Veggie Dippers, em uma tentativa de manter os amantes de fast-food integrados com uma nova folha (sem carne) em seus restaurantes.

 

Por fim, o desejo de consumir produtos de origem ética tem sido um fator importante nesta nova década. Consumidores que desejam mudar seu estilo de vida alimentar buscam alternativas, e essa necessidade alimenta o mercado.

Isso já não é mais uma tendência, é uma realidade!

 

Imagem: @Kucherav


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *