Pagamento mínimo do Cartão de Crédito. Evite e Saiba Mais – Sobre Varejo

Uma das principais dúvidas referente aos cartões é o Pagamento mínimo do Cartão de Crédito.

Afinal, se eu posso pagar o mínimo da fatura a ainda me sobra um dinheirinho para gastar por aí, porque não, né?


Pagamento mínimo do Cartão de Crédito

Mas como diria a nossa querida Mirna Borges: “Pagar o mínimo da fatura é cometer um suicídio financeiro”.

E pra você não cometer esse crime, atente-se ao nosso artigo caprichado para explicar melhor sobre esse assunto.

“Se eu pego a minha fatura do cartão de crédito, vejo que eu posso pagar menos do que eu gastei, é claro que eu vou me interessar, não é mesmo?”. Mas isso, pode comprometer e muito a sua saúde financeira.

Por isso, vamos neste artigo apresentar três motivos para que você não pague somente o mínimo da fatura do seu cartão de crédito.

1- Pagamento mínimo, juros máximo:

Pois é, o juros vem… e ele vem pra acabar com você, por isso:

Pague o valor integral da sua fatura.

Assim, você evita os juros desnecessários e não corre o risco de ficar com o nome sujo por não conseguir pagar a próxima fatura.

2- A nova regra do mínimo

Anteriormente, se você pegasse a sua fatura e decidisse por pagar o mínimo, você teria que pagar 15% do valor total (esse era o mínimo).

Porém essa regra mudou. Com isso, atualmente cada instituição financeira define e atualiza qual a sua porcentagem para o mínimo.

Dessa forma, se você ainda está nessa vida e nesse hábito de sempre pagar o mínimo da sua fatura, procure a empresa que você tem o seu cartão e confira qual é a porcentagem atual.

Mas cá entre nós: Se organize para não ficar pagamento o mínimo, vai…


3- O novo rotativo do cartão de crédito

Além das mudanças da regra do mínimo, também houveram outras mudanças: O Banco Central mudou o rotativo do cartão de crédito.

A ideia é de que o consumidor não possa ficar mais do que 1 mês no rotativo do cartão.

Caso isso aconteça com você, você não pode mais pagar o mínimo da fatura. Com isso você tem duas opções:

  • Pagar o valor integral da atual fatura, mais o valor restante da fatura passada.
  • Parcelar todo o valor devido através de uma linha de crédito (mais em conta) que o próprio banco tenha a ter oferecer.

Mesmo com todas as dicas, pensamos em elaborar um passo a passo para você que se encontra nessa situação tentar sair dessa bola de neve.

Dicas Extras:

  • Organize-se – Faça as contas na ponta do lápis, coloque todos os seus gastos em uma planilha. Assim fica mais fácil visualizar o que você consegue tirar, economizar ou até mesmo o que sobra para você tentar quitar essa dívida.
  • Troque a dívida por juros mais baixos – Pegue uma linha de crédito mais em conta para tentar quitar essa dívida. Pesquise opções de créditos e empréstimos mais em conta. Assim você consegue trocar uma dívida de 15% a.m (como a do rotativo do cartão), por uma dívida por menos de 4% a.m através de linhas de empréstimo pessoal.
  • Controle-se – Teoricamente o mais simples de todos mas na prática o mais difícil, não é mesmo? Mas sério, foque no seu objetivo e controle-se. Sabe aqueles gastos que você sempre tem, mas nunca usa ou é supérfluo, deixe de lado (academia, Netflix… )

Resumindo tudo:

Pagamento do mínimo: só em casos emergenciais.

Pague sempre o valor integral da sua fatura.

Caso já esteja na bola de neve das dívidas, não esqueça de comparar e pesquisar ofertas de crédito e porcentagens de juros.

Por fim, esperamos que tenham gostado do conteúdo. Caso tenha dúvidas, comentários ou alguma sugestão… deixa aqui pra gente vai!

Um abraço.

Imagem: @pressfoto


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *