O merchandising em Reality Shows – 20 anos

A TV de realidade (reality show), é até agora o novo gênero dominante do século XXI. Esse formato ilustra e intensifica várias formas de mercantilização encontradas na sociedade contemporânea, da mesma forma a publicidade através do Merchandising em Reality Shows.

Merchandising

Pessoas, experiências, “realidade” e até o próprio meio da televisão estão sendo constantemente comercializados. Um gênero cuja absorção de formas diretas e indiretas de publicidade está atualmente liderando uma fusão de publicidade e entretenimento.


Atualmente, sabemos que a programação da televisão em geral está em conformidade com os requisitos dos anunciantes, mas por décadas nos acostumamos ao modelo de programa separado com o intervalo comercial.

Agora que a tecnologia digital começou a capacitar o espectador, os anunciantes estão ansiosos por uma influência mais integrada e direta na programação popular.

O fato de os produtores estarem se esforçando para atender a essa necessidade é particularmente evidente no gênero Reality TV Show. Esse modelo fornece uma estrutura flexível para técnicas de publicidade multifacetadas, algumas remanescentes de práticas anteriores como game show, novela, documentário e programação de vídeos amadores.

Essa capitalização que é pública e visível, transcreve e vende o que era privado e fechado (indivíduo/pessoa) para exibição. A ideia é conseguir exteriorizar à força o interior. E isso é realizado por uma equação entre exposição e dinheiro.

O merchandising em Reality Shows - 20 anos

Reality Shows

A TV de realidade representa, entre outras coisas, o triunfo do mercado.

A noção de que todos, assim como tudo, têm seu preço e que as pessoas farão praticamente qualquer coisa por dinheiro.

Entretanto também se baseia no fato de que essa capitulação ainda tem o poder de chocar, especialmente pelo retrato real de uma sociedade contemporânea, essa,  em constante transformação. Uma experiência de valores, culturas, educação e moralidade.

Depois de explicar brevemente a rentabilidade do Reality Show e, consequentemente, a atual proliferação, podemos examinar as várias formas de atividade comercial associadas a esse novo gênero.

Não podemos negar sua previsão do que provavelmente serão tendências futuras em outras programações televisivas.

Começo com a identidade de marca principal do gênero, que é:


Um acesso especial à “realidade”.

Isso leva a uma discussão sobre voyeurismo, vigilância e pornografia.

A comparação do Reality Show com a pornografia, bem como outras perspectivas deste ensaio, deriva de observações de Jean Baudrillard que, embora não ofereça discussão prolongada, ainda é um dos os poucos principais teóricos a identificar o significado cultural do Reality Show. Sejam elas em suas primeiras manifestações quanto nos dias atuais.

Da mesma forma, também há uma discussão que estende as observações de Baudrillard para sublinhar o hiper-comercialismo no coração desse gênero, com a mercantilização de bens e indivíduos.

Merchandising em reality shows – A mecânica do Reality

Os Reality Shows, desfrutam de uma situação de trabalho incomum, na qual os participantes se alinham aos milhares, na tentativa de trabalhar “de graça”, com apenas uma pequena chance de uma recompensa monetária.

Esses gastos da parte dos produtores representam apenas uma fração da receita gerada pelos programas: até o grande prêmio de US $ 1 milhão a rede recupera em cerca de um minuto de publicidade.

Enquanto isso, não há necessidade de pagar escritores profissionais, atores ou muitas outras formas de equipe de apoio.

As séries de reality shows também são de risco bastante baixo: o investimento inicial geralmente é modesto, o tempo de produção é relativamente curto e a transmissão é bastante breve, de modo que, se uma fórmula falha, não se perde muito.

Para os produtores, a tendência tem sido comprar programas que já se mostraram bem-sucedidos na Europa: uma inversão interessante da direção usual das exportações de mídia.

Como o filme de ação de Hollywood, o Reality Show é um produto internacional projetado para ser facilmente traduzido de uma cultura para outra.

Cada formato é essencialmente uma franquia que requer pouco mais desenvolvimento criativo após a compra.

O gênero como marca, também ajuda a garantir lucros. E é por isso que uma nova série é frequentemente anunciada como um reality show. Uma autoconsciência que geralmente não é comum: novo elenco, novas experiências, características e capítulos novos a serem escritos.

O Reality, que é essencialmente uma bastardização do documentário, sinaliza até que ponto a pressão comercial está transformando todo o conteúdo da mídia em entretenimento.

Seja na América ou na Europa, documentários independentes sérios não conseguem mais encontrar apoio financeiro adequado ou, da mesma forma, oportunidades de transmissão.

Em conclusão, o nascimento de sua prole amiga do anunciante, o reality Show.

 

Imagem: @Freepik


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *