Os cuidados da peixaria: Do pescado ao peixeiro. (Parte 1)

Dentre todas as áreas e setores do supermercado, a peixaria e o peixeiro sempre chamam atenção, seja pelo lado positivo ou negativo.

Em suma, podem se destacar através da beleza, das cores e o tamanho dos peixes expostos. Aquele ar de frescor, cheiro de mar… da mesma forma podem se destacar pelo mal cuidado e o cheiro forte entre os corredores.


Ninguém nasce sabendo como pescar, em conclusão alguém ensina. Dessa forma, alguém aprende e assim vai…

Nesta série de artigos vamos dividir conhecimentos e informações sobre tudo o que é importante sobre o pescado.

Primeiramente a sua origem, passando pelo caminho que ele percorre para chegar às mãos do consumidor, além de dicas de preparo, cortes e armazenamento.

Por fim, é uma grande oportunidade de fazer a diferença no conhecimento, no trabalho, na vida dos colaboradores e claro, dos clientes (ou futuros clientes). Vem com a gente!

 

Os cuidados da peixaria: Do pescado ao peixeiro.

 

A peixaria em destaque:

Antes de mais nada, o peixeiro é o profissional que faz a entrega do pescado ao seu destino final, o cliente. O consumidor. 

Como o consumo do peixe é um hábito que o brasileiro ainda está desenvolvendo, é natural que ele ainda tenho muitas dúvidas sobre como avaliar a qualidade do pescado, qual escolher e até a forma de preparo. 

Por isso a importância desse profissional, é imprescindível que ele conheça o que vende e todo o processo que faz com que o pescado chegue até ele.

Quando ele sabe falar sobre o pescado, está valorizando a si mesmo e todos os envolvidos. Esse profissional recebe o produto, armazena, às vezes corta, embala…

 

O peixeiro, além de vendedor é um importante manipulador de alimentos, responsável pelo que vende. Se vender um peixe ruim, o consumidor pode achar que todo o pescado dele é de má qualidade, dessa forma desvalorizar todos os envolvidos.

Abra o olho: O consumo de pescado está aumentando, as peixarias estão crescendo, com isso a necessidade de mão-de-obra qualificada também está crescendo.

Atualmente, a área do pescado, está em expansão e o profissional que estiver qualificado estará com o seu lugar garantido. A qualificação é um grande diferencial no futuro.

 

Peixeiro: Pescado não é só peixe!

Peixes podem ser de dois tipos: Peixes ósseos, são aqueles que possuem pele com escamas, ou couro e espinha óssea. Por exemplo: As sardinhas, as garoupas e o bacalhau.

Peixes cartilaginosos: São aqueles que tem pele com escamas e esqueleto cartilaginoso ou seja, cartilagem. Se não possuem osso, então não possui espinha, por exemplo: Os cações e as arraias. 

Crustáceos: Crustáceos são animais que possuem carapaça dura e articulada, sua cabeça é unida ao corpo, nessa classificação estão: Os caranguejos como a centolha, crab e o king crab. Os siris, as lagostas, além de todos os camarões, que são os mais conhecidos desse grupo.

Moluscos: O nome molusco significa ser mole, nesse grupo estão os animais de corpo mole, podem ser também os que tem os pés saindo da cabeça, por exemplo: Lulas e polvos, assim como os que possuem cocha: Ostras mariscos, mexilhões e vieiras.

 

De onde vêm o peixe:

O pescado que chega às peixarias vêm de duas fontes: Pesca e Aquicultura. Atualmente ela envolve diversos setores econômicos, transportes, embarcações, utensílios, e emprega muitas pessoas.

Aquicultura, a cada ano cresce no mundo o sistema de produção de alimentos conhecido como Aquicultura.

A Aquicultura, é atividade de produzir organismos aquáticos em cativeiro, como peixes, camarões, rãs, algas entre outras espécies.

O pescado percorre um longo caminho da água até a mesa do consumidor, nesse caminho existem muitas pessoas envolvidas e é graças ao trabalho e a dedicação de cada uma delas que o consumidor pode comprar seu peixe.

Com uma costa tão extensa, ainda comemos pouco pescado. 

Apesar de nosso vasto litoral, o consumo de pescado no Brasil é muito distinto entre as regiões, e a média no Brasil ainda está abaixo do ideal, principalmente quando comparado a outros países.

Qual a média no consumo de pescado no Brasil?

Infelizmente, o baixo consumo do pescado no Brasil entre outras causas, está ligado com a comercialização mal feita e a má qualidade do pescado que chega ao consumidor.

É responsabilidade de todos os envolvidos:


  • Autoridades governamentais
  • Pescadores
  • Aquicultores
  • Exportadores da matéria prima
  • Indústria processadora
  • Atacadistas
  • Varejistas
  • Consumidor

Desempenharem bem os seus papéis para que possamos fazer do pescado, um alimento excelente. Dessa forma, confiável sob o ponto de vista do consumidor, de qualidade e em concordância com os parâmetros exigidos pela legislação vigente.

As peixarias nos supermercados, representam um dos principais elos de aproximação entre os consumidores brasileiros e essa atividade, que vem apresentando os maiores crescimentos na área de perecíveis no comércio varejista.

O desafio maior do peixeiro, atrair novos consumidores.

O consumo de pescados no Brasil é baixo quando comparado ao consumo de outras carnes e proteínas de origem animal, um churrasco de carne bovina ainda faz mais sucesso que um churrasco de pescado.

O desafio para elevar a demanda de pescados, está em atrair novos consumidores e nem tanto em aumentar as compras dos atuais, verifique quanto dos clientes do seu supermercado visita uma peixaria, e comece a identificar as pessoas e quais produtos lhe interessam.

Vamos revolucionar esse hábito.

 

Aspectos Operacionais:

Uma parceria de sucesso, deve estar sempre de olho em alguns fatores que podem faze lá brilhar, ou não.

Estrutura: O ambiente da peixaria é o cartão de visitas do pescado, ambiente limpo onde a higiene prevalece, inspira confiança no produto que é vendido.

O consumidor olhará com bons olhos para o pescado, confiando que ele também foi tratado como higiene.

Qualidade do pescado: Não adianta cuidar do ambiente e esquecer o pescado, ele é a estrela, é por causa dele que o consumidor foi até você, a qualidade dele é a sua segurança e a certeza de um serviço bem feito.

Atendimento: O consumidor quer ser bem tratado e quer saber tudo sobre o que está comprando, a habilidade do peixeiro em acolher seus clientes e saber falar sobre o produto que vende, é o que faltava para conquistar de vez o consumidor.

Abra o olho: Um grande mito em relação ao pescado e as peixarias, é o de que eles tem cheiro forte.

O pescado quando fresco, possui um cheiro muito suave que não incomoda ninguém, se há cheiro ruim, é porque há pescado em deterioração. Em uma peixaria onde hoje a higiene não é boa, os restos de pescado entram em deterioração e começa uma cheirar mal.

Uma peixaria que se preocupa com a higiene, não tem cheiro. Cheiro ruim, dá má impressão, e espanta o cliente.

 

Peixeiro, confira as Vantagens de um serviço bem feito

Diferenciação do produto: O seu peixe não é o mesmo vendido em outra peixaria próxima.

Confiança do consumidor: O cliente sabe que pode confiar no que você diz.

Aumento das vendas: Cliente que confia no peixeiro e sempre volta.

Aumento do lucro: Seja a estrela da peixaria e todos voltarão!

Todos são beneficiados ao conquistar o consumidor, todas as pessoas envolvidas no caminho que o peixe percorre são estimuladas a trazer mais e mais pescado.

 

Segurança Alimentar:

Qualidade: São todas as características que influenciam na decisão do consumidor, ou seja o cliente que quer qualidade em um alimento, espera que ele esteja em suas condições normais de sabor, odor, cor, composição, e que esse alimento esteja livre de qualquer componente perigoso a saúde humana.

A responsabilidade é de todos: Cada pessoa que participa do caminho do pescado, da pesca ao consumidor, é responsável por não deixar que os alimentos percam qualidade e se estraguem. Ou seja, quem captura, cultiva, descarrega, transporta, processa, armazena, distribui ou comercializa o pescado, tem que garantir que as boas práticas estejam presentes em todas as etapas.

O que são boas práticas de fabricação? São práticas de higiene que visam garantir a produção de alimentos seguros, evitando a ocorrência de doenças provocadas pelo consumo de alimentos contaminados. Elas devem ser feitas desde a pesca até a venda ao consumidor.

Abra o olho: Lembre-se que o excesso de manipulação pode prejudicar a qualidade manipule somente o necessário e faça uso das boas práticas.

O pescado é dentre os alimentos de origem animal, o mais sensível às alterações de qualidade. Por isso são muito importantes os cuidados em todas as etapas para levá-lo ao consumidor a partir de sua captura ou despesca.

A vida útil dele como alimento é determinada pelas reações naturais que ocorrem em sua carne após a morte e pelo número de micro-organismos presentes devido ao seu manuseio.

As boas práticas de manipulação, ou de fabricação desde a captura até a estocagem vão determinar a sua durabilidade como alimento saudável.

Fonte: Nutrimarpescados

Imagem: @drobotdean


3 thoughts on “Os cuidados da peixaria: Do pescado ao peixeiro. (Parte 1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *